terça-feira, abril 21, 2009

Já não sou quem era



Já não sou quem era
Meus sonhos não são iguais
Já não sou quem era
A hora é sincera
E eu sinto que me estou a agitar

Já não fico à espera
Já não fico à espera mais
Já não fico à espera
De ver acender
Essa luz que me quer ofuscar

Já vejo com os meus olhos
Já vejo sem me deslumbrar
Já vejo as limitações
Já vejo com os meus olhos
Já vejo sem enganar
Perdi as ilusões
Conheço as limitações



António Variações
Imagem retirada da net

1 comentário:

lumenamena disse...

Cada dia que nasce dá-te manhãs cheias de sol para enfrentares o resto do dia, com esperança de existir um sopro de vento.