segunda-feira, março 31, 2008

Aerograma


Deus queira que esta
Vos mate a fome aos sentidos
Por agora

Deus queira que esta
Vos guarde a dor aos gemidos
Noite fora

Dançamos fandangos
Sobre uma navalha
Pássaros em bando
Em nuvens de limalha

E assim eu cá vou indo.

Vem-me o fel à boca
As tripas ao coração
A noite trás a forca pela sua mão

Sonho com fantasmas
De pele preta e luzidia
Com manuais de coragem e cobardia

Dizem que há sempre
Um barco azul para partir
Nosso hino
Embarca a alma
E os restos de um rosto a sorrir
Do destino

Põe o meu retrato
No altar de S. João
E uma vela com formato de canhão
Cansa-se esta escrita
Com dois dedos num baraço
Assim o quis a desdita
Vai um abraço.


Trovante
Foto retirada da net

1 comentário:

Feiticeira disse...

Gosto muito dos Trovante, cada musica cada letra, tem sempre muita coisa "escondida" ou então, diz sempre muita coisa que está escondida e por vezes não existem palavras ou frazes para se dizer á pessoa querida ou amada.