segunda-feira, março 31, 2008

There ain't no cure for love


There's nothing pure enough to be a cure for love...


Leonard Cohen - I'm your man
Foto retirada da net

Aerograma


Deus queira que esta
Vos mate a fome aos sentidos
Por agora

Deus queira que esta
Vos guarde a dor aos gemidos
Noite fora

Dançamos fandangos
Sobre uma navalha
Pássaros em bando
Em nuvens de limalha

E assim eu cá vou indo.

Vem-me o fel à boca
As tripas ao coração
A noite trás a forca pela sua mão

Sonho com fantasmas
De pele preta e luzidia
Com manuais de coragem e cobardia

Dizem que há sempre
Um barco azul para partir
Nosso hino
Embarca a alma
E os restos de um rosto a sorrir
Do destino

Põe o meu retrato
No altar de S. João
E uma vela com formato de canhão
Cansa-se esta escrita
Com dois dedos num baraço
Assim o quis a desdita
Vai um abraço.


Trovante
Foto retirada da net

125 azul


Foi sem mais nem menos
Que um dia selei a 125 azul
Foi sem mais nem menos
Que me deu para abalar sem destino nenhum


Foi sem graça nem pensando na desgraça
Que eu entrei pelo calor
Sem pendura que a vida já me foi dura
P´ra insistir na companhia


O tempo não me diz nada
Nem o homem da portagem na entrada da auto-estrada
A ponte ficou deserta nem sei mesmo se Lisboa
Não partiu para parte incerta
Viva o espaço que me fica pela frente e não me deixa recuar
Sem paredes, sem ter portas nem janelas
Nem muros para derrubar


Talvez um dia me encontre
Assim talvez me encontre


Curiosamente dou por mim pensando onde isto me vai levar
De uma forma ou outra há-de haver uma hora para a vontade de parar
Só que à frente o bailado do calor vai-me arrastando para o vazio
E com o ar na cara, vou sentindo desafios que nunca ninguém sentiu


Talvez um dia me encontre
Assim talvez me encontre


Entre as dúvidas do que sou e onde quero chegar
Um ponto preto quebra-me a solidão do olhar
Será que existe em mim um passaporte para sonhar
E a fúria de viver é mesmo fúria de acabar


Foi sem mais nem menos
Que um dia selou a 125 azul
Foi sem mais nem menos
Que partiu sem destino nenhum
Foi com esperança sem ligar muita importância àquilo que a vida quer
Foi com força acabar por se encontrar naquilo que ninguém quer


Mas Deus leva os que ama
Só Deus tem os que mais ama



Trovante
Foto retirada da net

sexta-feira, março 28, 2008

Ambição



Imagem retirada daqui:
http://www.pagandoopato.com.br/

69 ardências


Toma-me... sente a vida a pulsar na tua boca.
Tomo-te... sinto um mundo derreter-se na minha.
Nada mais interessa, enquanto nos picos da paixão, nos bebemos em êxtase .



Toni
Foto retirada da net

quinta-feira, março 27, 2008

Memórias de um beijo


Lembras-me uma marcha de Lisboa
Num desfile singular,
Quem disse
Que há horas e momentos p'ra se amar

Lembras-me uma enchente de maré
Com uma calma matinal
Quem foi
quem disse
Que o mar dos olhos também sabe a sal

As memórias são
Como livros escondidos no pó
As lembranças são
Os sorrisos que queremos rever, devagar

Queria viver tudo numa noite
sem perder a procurar
O tempo, ou o espaço
Que é indiferente p'ra poder sonhar

As memórias são
Como livros escondidos no pó
As lembranças são
Os sorrisos que queremos rever, devagar


Quem foi que provocou vontades
e atiçou as tempestades
e amarrou o barco ao cais

Quem foi, que matou o desejo
E arrancou o lábio ao beijo
E amainou os vendavais

As memórias são
Como livros escondidos no pó
As lembranças são
Os sorrisos que queremos rever, devagar



Trovante
Foto retirada da net

Velha infância


Você é assim
Um sonho pra mim
E quando eu não te vejo

Eu penso em você
Desde o amanhecer
Até quando eu me deito

Eu gosto de você
E gosto de ficar com você
Meu riso é tão feliz contigo
O meu melhor amigo é o meu amor

E a gente canta
E a gente dança
E a gente não se cansa

De ser criança
Da gente brincar
Da nossa velha infância

Seus olhos, meu clarão
Me guiam dentro da escuridão
Seus pés me abrem o caminho
Eu sigo e nunca me sinto só

Você é assim
Um sonho pra mim
Quero te encher de beijos

Eu penso em você
Desde o amanhecer
Até quando eu me deito


Tribalistas

Imagem retirada da net

quarta-feira, março 26, 2008

Quero-te


Deslizo as mãos pelo teu corpo e sentes o meu desejo a pulsar.
Acendes em mim esta chama de desejo que arde por ti.
E este intenso desejo, será selado com beijos.



Toni
Foto retirada da net

Desejos ardentes


Quando estiveres nua, serás unicamente minha.
Vou descobrir o aroma da tua pele, sentir as tuas curvas e beijar a tua boca com paixão.

Vou provar o teu corpo de mulher, percorrendo estradas de saliva, lugares de beijos, subindo ao cume dos teus mamilos, descendo ao vale das tuas coxas e colher o teu mel do amor.

Perdido de desejo, não resisto mais. Prendes-me entre as tuas pernas e com as tuas aveludadas carícias, quentes e húmidas, vais levar-me à completa loucura.

Então, a gemer o teu nome numa vertigem de orgásmico prazer, vou esvair-me em amor bem dentro de ti.


Toni
Foto retirada da net

segunda-feira, março 24, 2008

Menina dos olhos de água


Menina em teu peito sinto o Tejo
E vontades marinheiras de aproar
Menina em teus lábios sinto fontes
De água doce que corre sem parar

Menina em teus olhos vejo espelhos
E em teus cabelos nuvens de encantar
E em teu corpo inteiro sinto o feno
Rijo e tenro que nem sei explicar

Se houver alguém que não goste
Não gaste - deixe ficar
Que eu só por mim quero-te tanto
Que não vai haver menina p'ra sobrar

Aprendi nos "Esteiros" com Soeiro
Aprendi na "Fanga" com Redol
Tenho no rio grande o mundo inteiro
E sinto o mundo inteiro no teu colo

Aprendi a amar a madrugada
Que desponta em mim quando sorris
És um rio cheio de água levada
E dás rumo à fragata que escolhi

Se houver alguém que não goste
Não gaste - deixe ficar...
Que eu só por mim quero-te tanto
Que não vai haver menina p'ra sobrar...


Pedro Barroso
Imagem retirada da net
Musica e letra aqui: http://www.pedrobarroso.com/poemas/meninaolhosagua.htm

No teu poema


No teu poema
existe um verso em branco e sem medida,
um corpo que respira, um céu aberto,
janela debruçada para a vida.


No teu poema
existe a dor calada lá no fundo,
o passo da coragem em casa escura
e, aberta, uma varanda para o mundo.


Existe a noite,
o riso e a voz refeita à luz do dia,
a festa da Senhora da Agonia
e o cansaço
do corpo que adormece em cama fria.
Existe um rio,
a sina de quem nasce fraco ou forte,
o risco, a raiva e a luta de quem cai
ou que resiste,
que vence ou adormece antes da morte.


No teu poema
existe o grito e o eco da metralha,
a dor que sei de cor mas não recito
e os sonhos inquietos de quem falha.


No teu poema
existe um cantochão alentejano,
a rua e o pregão de uma varina
e um barco assoprado a todo o pano.


Existe um rio
a sina de quem nasce fraco ou forte,
o risco, a raiva e a luta de quem cai
ou que resiste,
que vence ou adormece antes da morte.


No teu poema
existe a esperança acesa atrás do muro,
existe tudo o mais que ainda escapa
e um verso em branco à espera de futuro.



José Luís Tinoco
Imagem retirada da net
Cantado por Simone de Oliveira

quinta-feira, março 20, 2008

Boa Páscoa



E aproveitem os ovos...



Imagem e foto retiradas da net

O amor quando se revela


O amor, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p'ra ela,
Mas não se lhe sabe falar.

Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há-de dizer.
Fala: parece que mente...
Cala: parece esquecer...

Ah, mas se ela advinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
P'ra saber que a estão a amar!

Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar...


Fernando Pessoa
Imagem retirada da net

Chegou a Primavera

E o Google assinala a data com mais um logotipo especial.

quarta-feira, março 19, 2008

Fim


Quando eu morrer batam em latas,
Rompam aos saltos e aos pinotes,
Façam estalar no ar chicotes,
Chamem palhaços e acrobatas!

Que o meu caixão vá sobre um burro
Ajaezado à andaluza...
A um morto nada se recusa,
Eu quero por força ir de burro.



Mário de Sá Carneiro
Imagem retirada da net

segunda-feira, março 17, 2008

Modo de amar X


A praia da memória
a sulcos feita
a partir da cintura:

a boca
os ombros

na tua mansa língua que caminha
a abrir-me devagar
a pouco e pouco

Globo onde a sede
se eterniza
Piscina onde o tempo se desmancha
a anca repousada
que inclinas
as pernas retezadas que levantas

E logo
são os dentes que limitam

mas logo
estão os labios que adormentam
no quente retomar de uma saliva
que me penetra em vácuo
até ao ventre

o vínculo do vento
a vastidão do tempo

o vício dos dedos
no cabelo

E o rigor dos corpos
que já esquece
na mais lenta maneira de vencê-los



Maria Teresa Horta
Foto retirada da net

Modo de amar IX


Enlaçam as pernas
as pernas
e as ancas

o ar estagnado
que se estende
no quarto

As pernas que se deitam
ao comprido
sob as pernas

E sobre as pernas vencem o gemido

Flor nascida no vagar do quarto



Maria Teresa Horta
Foto retirada da net

Modo de amar VIII


Que macias as pernas
na penumbra

e as ancas
subidas
nos dedos que as desviam

Entreabro devagar
a fenda – o fundo
a febre
dos meus lábios

e a tua língua
Vagarosa:

toma – morde
lambe
essa humidade esguia



Maria Teresa Horta
Foto retirada da net

Modo de amar VII


Secreto o nó na curva
do meu espasmo

E o cume mais claro
dos joelhos
que desdobrados jorram dos espelhos

ou dos teus ombros os meus:
flancos
na luz de Maio



Maria Teresa Horta
Foto retirada da net

Modo de amar VI


Inclina os ombros
e deixa
que as minhas mãos avancem
na branda madeira

Na densa madeixa do teu ventre

Deixa
que te entreabra as pernas
docemente


Maria Teresa Horta
Foto retirada da net

terça-feira, março 11, 2008

Desejo-te...



Foto retirada da net

You're Missing


Shirts in the closet, shoes in the hall
Mama's in the kitchen, baby and all
Everything is everything
Everything is everything
But you're missing

Coffee cups on the counter, jackets on the chair
Papers on the doorstep, you're not there
Everything is everything
Everything is everything
But you're missing

Pictures on the nightstand, TV's on in the den
Your house is waiting, your house is waiting
For you to walk in, for you to walk in
But you're missing, you're missing
You're missing when I shut out the lights
You're missing when I close my eyes
You're missing when I see the sun rise
You're missing

Children are asking if it's alright
Will you be in our arms tonight?

Morning is morning, the evening falls I have
Too much room in my bed, too many phone calls
How's everything, everything?
Everything, everything
You're missing, you're missing

God's drifting in heaven, devil's in the mailbox
I got dust on my shoes, nothing but teardrops


Bruce Springsteen - The Rising
Foto retirada da net

segunda-feira, março 10, 2008

O poeta é um fingidor


O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.


E os que lêem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas de roda Gira,
a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama coração.


Fernando Pessoa
Imagem retirada da net

sexta-feira, março 07, 2008

Bubbly


I've been awake for a while now
you've got me feelin like a child now
cause every time i see your bubbly face
I get the tinglies in a silly place

It starts in my toes
makes me crinkle my nose
where ever it goes i always know
that you make me smile
please stay for a while now
just take your time
where ever you go

The rain is fallin on my window pane
but we are hidin in a safer place
under the covers stayin safe and warm
you give me feelins that i adore

It starts in my toes
makes me crinkle my nose
where ever it goes
I always know
that you make me smile
please stay for a while now
just take your time
where ever you go

What am i gonna say
when you make me feel this way
I just... mmmmmmmmmmm

It starts in my toes
makes me crinkle my nose
where ever it goes
I always know
that you make me smile
please stay for a while now
just take your time
where ever you go

I've been asleep for a while now
You tucked me in just like a child now
Cause every time you hold me in your arms
I'm comfortable enough to feel your warmth

It starts in my soul
And I lose all control
When you kiss my nose
The feelin shows
Cause you make me smile
Baby just take your time
Holdin' me tight

Where ever, where ever, where ever you go
Where ever, where ever, where ever you go...



Colbie Caillat - Coco
Foto retirada da net

O "Jeito"

video


Filme retirado da net

terça-feira, março 04, 2008

Uma história inesquecível


"É muito fácil aceitar e gostar dos que são iguais a nós, mas fazê-lo com alguém diferente é muito difícil, e tu ajudaste-nos a consegui-lo. És uma gaivota e tens de seguir o teu destino de gaivota. Tens de voar. Quando o conseguires, Ditosa, garanto-te que serás feliz, e então os teus sentimentos para connosco e os nossos para contigo serão mais intensos e belos , porque será a amizade entre seres totalmente diferentes."


Luis Sepúlveda, in "História de uma Gaivota e do Gato que a Ensinou a Voar"
Imagem retirada da net

Ilusão optica?



Imagem retirada daqui:
http://www.tirinhas.com/

segunda-feira, março 03, 2008

Qual é?

O dia mais belo? Hoje.
A coisa mais fácil? Errar.
O maior obstáculo? O medo.
O maior erro? O abandono.
A raíz de todos os males? O egoísmo.
A distração mais bela? O trabalho.
A pior derrota? O desânimo.
Os melhores professores? As crianças.
A primeira necessidade? Comunicar-se.
O que lhe dá mais felicidade? Ser útil aos demais.
O maior mistério? A morte.
O pior defeito? O mau humor.
A pessoa mais perigosa? A mentirosa.
O sentimento mais ruim? O rancor.
O presente mais belo? O perdão.
O mais imprescindível? O lar.
A rota mais rápida? O caminho certo.
A sensação mais agradável? A paz interior.
A proteção efectiva? O sorriso.
O melhor remédio? O optimismo.
A maior satisfação? O dever cumprido.
A força mais potente do mundo? A fé.
As pessoas mais necessárias? Os pais.
A mais bela de todas as coisas? O amor.


Madre Teresa de Calcutá

A minha religião é melhor que a tua



Imagem retirada daqui:
http://blogdobenett.blog.uol.com.br/

A Chave



Imagem retirada daqui:
http://blogdobenett.blog.uol.com.br/

Alexander Graham Bell


Nascido a 3 de Março de 1847, foi fundador da companhia telefónica Bell.
Historicamente, é considerado o inventor do telefone.
Faleceu a 2 de Agosto de 1922.


Mais informação aqui:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Alexander_Graham_Bell


O Google assinala esta data com mais um logotipo especial: